No dia 21, às 20h, a bateria de arranque do gerador de emergência a diesel explodiu quando um operador da UTE-GLB estava realizando um teste no equipamento. Os estilhaços da bateria voaram a uma distância de 5 metros do gerador, quebrando a prancheta que o operador estava usando. Por sorte, o trabalhador não se feriu gravemente. A gerência escondeu este e outros acidentes que não foram comunicados ao Sindicato. Além disso, também
não foram realizadas as investigações necessárias. Desta maneira, a Usina permanece com seus indicadores ótimos perante seus superiores, ao estilo “para inglês ver”. Diante disto, a direção do Sindipetro Caxias solicitou formalmente à gerência da UTE-GLB que se explique sobre este descaso e crie uma investigação do acidente juntamente com a CIPA, para que os trabalhadores possam ter um ambiente seguro dentro da fábrica.

Na noite do dia 16, o técnico de operação Francisco Pereira da Silva sofreu um acidente na REDUC, por volta das 23h.

O petroleiro de 53 anos de idade caiu da própria altura na U-2700, em piso irregular e escorregadio, ocasionando trauma na região do terço distal da perna esquerda.

Ele foi atendido pelo setor médico da re naria e encaminhado para hospital Caxias D’or, mas foi transferido para o hospital Barra D’or, ainda de madrugada, para exames de imagem. No dia 18, o companheiro passou por cirurgia e deverá car

referido direito, motivo da Ação Civil Pública.

O Sindipetro Caxias já teve a experiência de realização de ação similar na REDUC, sendo determinada a realização de perícia e constatado o agente benzeno em toda a re naria, porém ainda não foi proferida a sentença. Nesta mesma busca da tutela de integridade física do trabalhador e do alcance de sua aposentadoria especial ou da contagem de tempo especial.

quase 50 dias sem colocar o pé no chão.

Além de acompanhar de perto todo o atendimento, a direção do Sindipetro Caxias solicitou no que a empresa disponibilize assistência social para o petroleiro e seus familiares.

Somente neste ano, já ocorreram mais de 20 acidentes na REDUC. O Sindipetro Caxias repudia o descaso com a vida dos trabalhadores luta diarimente para que a segurança dos trabalhadores seja prioridade dentro da empresa.

A REDUC continua a ser sucateada pela atual

direção da Petrobrás, que tem a intenção de baratear todas as plantas para vender tudo ao mercado internacional. Quem sofre são os trabalhadores, que devem ter atenção redobrada nas operações. Por isto, é muito importante que se use o direito de recusa caso haja qualquer tipo de risco.

A direção do Sindicato

acompanhará o grupo de trabalho de investigação do acidente. A direção da empresa está sacri cando toda força de trabalho sem investimentos em manutenção e novas contratações de trabalhadores. Não coloquesuavidaemjogo. Use seu direito de recusa e procure o Sindicato caso exista qualquer tipo de assédio.

Explosão e incêndio na madrugada de hoje, 20, assustam trabalhadores e moradores do entorno da refinaria de Paulinia.

Este tipo de acidente é consequência da redução de mão de obra e falta de investimento em equipamentos. Para Simão Zanardi, coordenador geral da FUP, a Petrobras fez dois PIDVs retirando mais de 20 mil trabalhadores da área e não fez concurso público para repor esse efetivo. E ainda fez um estudo para reduzir o número mínimo de segurança operacional. Com isso, todas as refinarias passaram a operar em condições de risco. Este acidente é só um aviso do que virá pela frente.

Informações do Sindipetro Unificado SP

Trabalhadores informaram que, as chamas tiveram início após a explosão do tanque de águas ácidas, que fica no craqueamento - unidade que acabou de passar por parada de manutenção e sofreu uma série de intervenções em seus equipamentos. O fogo também atingiu a unidade de destilação, causando o rompimento de várias linhas de tubulações. Trabalhadores relatam terem ouvido três explosões. Não houve vítimas.

A ocorrência provocou a parada emergencial da refinaria. A empresa dispensou, nesta manhã, os trabalhadores do administrativo e de outros setores, mantendo somente os funcionários diretamente envolvidos na manutenção das unidades danificadas e equipes de operações e SMS (Saúde/Meio Ambiente/Segurança).

Por sorte, o acidente ocorreu na madrugada, quando havia poucos trabalhadores presentes. “Se tivesse ocorrido em horário administrativo, quando há muitas intervenções de manutenção e trabalhadores circulando, poderíamos ter tido uma fatalidade”, afirmou o coordenador do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP), Juliano Deptula.

Veja o vídeo:

 

Fonte: FUP

 

No dia 30 de julho aconteceu um acidente com um eletricista contratado para substituir outro em férias. Ele sofreu um grave ferimento em um dos olhos após o rompimento de um selo soldado numa manutenção em um aparelho de ar condicionado.
Ocorre que no decorrer deste trabalho aconteceram vários desvios relatados pela direção local do Sindipetro Caxias, tais como Permissão de Trabalho e Análise de Risco genéricas (cópia de 2017), falta de escoramento para trabalho em altura, local da AR diferente do local da atividade, falta de curso de integração e conhecimento das regras de ouro da companhia. Todos os erros somados levaram a mais este grave acidente em que o trabalhador pode vir a perder a visão.
Não é de hoje que a direção do sindicato e da FUP vêm denunciando os desvios da gestão de SMS por todo Brasil, mas infelizmente a empresa não aprende e quando age, culpa sempre o lado mais fraco.
A precarização da mão de obra terceirizada através de contratos onde se vê claramente o rebaixamento de direitos e a remuneração dos trabalhadores é tema da luta diária do sindicato. É hora de dar um basta nesses desvios, e para isto a direção do Sindipetro Caxias orienta a todos os trabalhadores que não deixem de observar os padrões de segurança da empresa à risca, e parem em caso de qualquer requisito não estar sendo atendido.
A CIPA tem uma grande importância nessa jornada, podendo parar qualquer atividade que analise como perigosa e ou arriscada.
O Diretor do Sindicato Wallace Freitas irá acompanhar o caso e o desfecho deste Grupo de Trabalho.

Cumpra-se a Operação Padrão!

Os gerentes da refinaria finalmente tomaram a decisão correta: compraram o bico do maçarico conforme especificação do fabricante, depois de 6 meses de interdição da U-3350 devido ação judicial do Sindipetro Caxias para garantir a segurança dos trabalhadores. Uma das causas do acidente foi o bico que foi usinado na oficina do Seu Manel e outra foi o refratário que também foi comprado na olaria do Seu Manel. Não satisfeito com a lambança, ainda contrataram o Seu Manel para fazer uma massa de barro e assentar os tijolos. Tudo fora de especificação para economizar dinheiro.
A direção do Sindicato acionou o jurídico imediatamente, pois não houve acordo com a refinaria que queria partir o equipamento fazendo gambiarras, sem nenhuma preocupação com os trabalhadores e o equipamento. Em 7 de dezembro de 2017, o juiz decide “a favor” da argumentação do Sindicato e decide:
“Por todo o exposto, defiro, inaudita altera parte, a tutela de urgência requerida, para determinar a imediata INTERDIÇÃO da Unidade 3350, da reclamada, por prazo indeterminado, até que seja efetuada um laudo de integridade feito pelo fabricante ou auditor fiscal do MTE da caldeira GV-01, sob pena de multa diária no importe de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), a serem convertidos para projeto do DIEESE, sem prejuízo da configuração de crime de desobediência do responsável legal pelo descumprimento da presente, na hipótese de recusa, devendo, quando da diligência, o Sr Oficial de Justiça colher os dados do responsável pelo cumprido da liminar.”

 

A U-3350 voltará a operação sob as seguintes condições:

1. Instalar o bico do maçarico especificado pelo fabricante, que ainda não chegou na refinaria.

2. Manutenção de 1 (um) Técnico de Operação, na área, exclusivo para unidade desde o início do condicionamento até a partida. Depois da partida da unidade, por um período de 6 meses continuará mantido o efetivo de 1 (um) Técnico de Operação, na área, e após será reavaliado esta necessidade.

3. A U-3350 já poderá ser condicionada, desde que tenha um Técnico de Operação exclusivo, na área, porém a caldeira GV-1 só poderá ser colocada em operação após a instalação do bico especificado pelo fabricante.

 

Relembre o acidente:

No dia 25/10/17, ocorreu mais um grave acidente na REDUC na U-3350, Unidade de Recuperação de Enxofre-URE, na caldeira GV-1, por volta das 21 horas. A unidade voltava de manutenção e estava em processo de aquecimento com Gás Combustível quando o refratário da câmara de combustão, que opera a 1000ºC, desmoronou e a chaparia do equipamento sofreu estresse térmico. A incidência da chama sobre a chaparia derreteu o isolamento térmico, fragilizando o corpo da caldeira que ficou rubro e foi levado a fadiga. A chapa chegou a ficar incandescente, e depois de esfriada apresentou fragilidade.  Uma equipe da Inspeção de Equipamento chegou a quebrar com o martelinho picotador o corpo do costado da caldeira. A caldeira ficou toda furada parecendo queijo suíço. Caso a caldeira estivesse operando com Gás Acido, haveria uma contaminação de H2S causaria a morte de muitos trabalhadores.

Sindicato dos Trabalhadores na
Indústria e Destilação de
Petróleo de Duque de Caxias
Inaugurado em 26/03/1962