Nossa reunião de aposentados e pensionistas foi ótima e com auditório cheio e nosso próximo encontro já está marcado.

Devido ao feriado do carnaval, a próxima reunião de aposentados e pensionistas será no dia 12/03, a partir das 10h, na sede do Sindipetro Caxias. Neste dia, também acontecerá nosso tradicional almoço de confraternização.

No dia 05 de outubro, a direção do Sindipetro Caxias se reuniu com o GG, GGA e Gerente de SMS da refinaria para tratar de assuntos de interesse da categoria.

1 - Não Retorno após dupla jornada:
Como alguns gerentes continuam a codificar o ponto com reflexo, a gerência geral pediu um prazo até o fim deste mês para tratar do assunto com o RH.

2 - Improbidade Administrativa:
Os supervisores do turno não podem estar na escala de dobras, pois são cargos comissionados. Por ordem do GG, os supervisores só poderão dobrar no lugar de outro supervisor ou na impossibilidade de outro trabalhador dobrar.

3 - Carro de Turno 21:
No dia 30 de setembro, o carro T-21 colidiu com um carro de passeio após ter feito a rota de saída do turno das 15 horas. O motorista foi demitido por justa causa e a gerência da REDUC sequer foi informada do acidente. A direção do Sindipetro Caxias cobrou a abertura de um GT e a suspensão dessa demissão até toda a apuração dos fatos.

4 - Conquista dos trabalhadores:
Todos lotados nas unidades 1510 e 1710, agora também terão em seus exames o ácido trans, trans-mucônico urinário, como biomarcador na monitorização da exposição ocupacional ao benzeno. Apesar dessas unidades não participarem do PPEOB da REDUC, a corrente de seus produtos possuem em média 0,7 ppm de benzeno. É o Sindipetro Caxias trabalhando em favor da saúde e segurança do trabalhador.

Depois de alguns ofícios enviados a Transpetro e denúncias no boletim semanal do Sindipetro Caxias, no dia 11 de outubro aconteceu a segunda reunião do ano para tratar de questões de RH E SMS. Esta reunião faz parte do calendário bimestral acertado no começo do ano, porém a empresa estava adiando o encontro. A última reunião aconteceu em abril, e somente agora conseguimos avançar.
Na última quinta-feira, a direção do Sindicato levou à gerência pendências como o defeito no ar condicionado do prédio da malha, falta de armários para guardar adequadamente os uniformes (previsto na NR 24), as condições precárias das instalações dos terceirizados (NR 24) e o portão alternativo para saída dos motociclistas. Infelizmente os problemas ainda não foram sanados, mas houve avanço na gestão dos recursos.
Também foram abordadas novas questões relativas ao contrato precário dos motoristas, a falta do agente Benzeno no PPP. Porém ficaram com respostas precárias, pois a gestão não é do terminal e sim do gerente corporativo.
Vale lembrar que a situação dos motoristas é muito grave, pois além de terem seus salários rebaixados e seu VR reduzido a Vale Coxinha, agora em algumas bases nem água conseguem beber devido ao impedimento da entrada na área da Transpetro. Segundo a empresa contratada, eles não fazem jus ao adicional de periculosidade e logo tem que permanecer longe da área industrial. De acordo com o gerente de SMS presente na reunião, este problema será sanado assim que sair o relatório mapeando tecnicamente as áreas classificadas das bases.
Quanto ao ASO sem a presença do Benzeno, o sindicato orienta a observação da sua exposição no ato da consulta médica, carimbada e assinada pelo profissional de saúde. Uma vez que já temos uma ação vencedora na Petrobrás e logo esperamos êxito também na Transpetro.
Entre os pontos levantados de RH destaca-se a possibilidade do turno de 12 horas para operação e a criação do adicional de dutos em substituição ao de gasodutos.
Em resposta, sobre o turno de 12 horas, a empresa está aguardando um parecer do jurídico, visto que há uma demanda em outras bases pelo país.
Quanto à migração do adicional, ficou-se de agendar uma segunda reunião ainda este ano para avançar nas negociações.
Apesar do atraso na agenda de reuniões, todos os pontos da pauta foram apresentados. Agora resta aguardar a próxima, marcada para dezembro, onde serão apresentados os avanços e soluções.

Na reunião realizada na última sexta-feira, 14, foram tratados de diversos assuntos de interesse da categoria, dentre eles se destacaram dois pontos: o incinerados de amônia, que está parado há mais de um ano e a questão dos suplentes eleitos pelos trabalhadores na gestão da CIPA 2017-2018.
Sobre o incinerador de amônia, os gerentes da refinaria se comprometeram a resolver o problema. Estaria programado para ele voltar a operar em agosto, porém, após analise criteriosa da manutenção, descobriu-se que o problema se agravou com o tempo.
Foi constatado que a chaminé arriou e fundiu-se no costado lateral, o que levou a manutenção do incinerador ser prorrogada por mais dois meses. Acontece que existe um TAC assinado com o Ministério Público Federal de não enviar amônia acima de 5 ppm para atmosfera. Além disso, o MPF está convocando o Sindipetro Caxias para verificação do cumprimento dos TAC assinados. De acordo com a REDUC a Legislação Ambiental está sendo cumprida, pois os resíduos lançados no meio ambiente estão na faixa de 2 ppm de amônia.
Nesta mesma reunião, foi colocado pela direção do Sindipetro Caxias que até a gestão do penúltimo GG, os suplentes eleitos para a CIPA tinham total liberdade de participarem das reuniões ordinárias. Acontece que isso foi proibido nessa gestão e teve continuidade na gestão da ultima GG da REDUC. A Gerência Geral entendeu que essa negociação pode avançar, porém antes ele pretende conversar com o atual presidente CIPA. Esse tema voltará na pauta da próxima reunião. É o Sindipetro Caxias sempre preocupado com a saúde e segurança da Força de Trabalho.

Sindicato dos Trabalhadores na
Indústria e Destilação de
Petróleo de Duque de Caxias
Inaugurado em 26/03/1962